O obstáculo principal de viver com um transplante é a rejeição aguda. Esse tipo de rejeição ocorreria em quase todos os receptores se não existissem os remédios imunossupressores. Como é de se esperar, os remédios imunossupressores reprimem os elementos do sistema imunológico para que eles não ataquem o órgão do doador. O problema é que esses remédios também suprimem algumas das coisas boas que o sistema imunológico faz. Uma pessoa tomando remédios imunossupressores é mais sujeita a infecções. Uma nova abordagem pode finalmente mudar o curso das coisas. Em poucos casos experimentais, pacientes de transplante de rim também receberam transplantes de medula óssea dos seus doadores. A medula óssea produz glóbulos brancos, que têm o papel principal na proteção contra corpos estranhos. A teoria por trás dessa nova abordagem é que os glóbulos brancos da medula do doador irão se fundir com as células do receptor, permitindo que o sistema imunológico reconheça o novo órgão como parte do corpo. Os resultados dos testes iniciais são animadores. Os primeiros pacientes testados estão muito bem, sem tomar nenhum remédio imunossupressor.
Porém, os remédios ainda são o recurso mais usado e rendem bons resultados. Normalmente, uma equipe de transplante prescreve combinações específicas de remédios a pacientes a fim de alcançar o equilíbrio certo de supressão. A meta é suprimir o sistema o bastante para prevenir a rejeição, enquanto se minimizam os efeitos colaterais e o risco de infecção. Com o passar do tempo, a equipe de transplante normalmente ajusta a prescrição do remédio, ficando em sintonia com as necessidades do paciente. Em alguns casos, ele pode até ser liberado de todos os remédios conforme o corpo se adapta ao novo órgão, mas isso é extremamente raro.
Os pacientes transplantados devem vigiar a tomada de medicamentos e têm que visitar o hospital regularmente para seguir em frente com os testes. Isso vale a pena na maioria dos casos, pois os pacientes que estiveram enfermos por muitos anos devido a um órgão doente podem se sentir completamente rejuvenescidos após um transplante.
Infelizmente, milhares de pessoas não conseguem essa chance de ter uma vida nova.


fonte: http://saude.hsw.uol.com.br/